sábado, agosto 13, 2022
spot_img
InícioSaúde e FitnessPedra nos rins: Saiba mais sobre a doença e como preveni-la

Pedra nos rins: Saiba mais sobre a doença e como preveni-la

Brasil tem índice de 5% de toda população com pedras nos rins, especialista do HSANP explica que a melhor prevenção é beber bastante líquido, além de evitar o sal e uma dieta hiperprotéica

Os cálculos renais, também conhecidos como pedra nos rins, são uma massa semelhante a pedras que podem-se surgir em qualquer local do sistema urinário, fruto, muitas vezes, de uma alimentação rica em proteína e sódio. Além disso, a pouca ingestão de líquidos durante o dia resulta em uma urina mais concentrada, capaz de aumentar o risco da formação da pedra. Dados da Sociedade Brasileira de Urologia mostram que até 13% da população mundial possuem cálculos renais e, no Brasil, esse índice é de 5% dos cidadãos.

Entre os principais sintomas da doença estão uma intensa dor, também presente quando a pessoa urina, e febre acima dos 38ºC em caso de crises. Frente aos sinais indicativos da enfermidade, é importante consultar um médico especialista, como um nefrologista ou urologista, para que sejam feitos exames e iniciado o melhor tratamento. “O que leva à formação de cálculos renais é um conjunto de fatores como histórico familiar; pouca ingestão de água, pois a falta de líquidos acaba concentrando mais a urina; e algumas alterações importantes, como certas doenças endócrinas, que elevam a formação de cálcio no sangue ou ainda doenças inflamatórias do intestino. A falta de atividade física, o sedentarismo e a obesidade também são fatores de risco”, explica Alexandre Mannis, nefrologista do HSANP.

Prevenção e quantidade de água ideal para cada pessoa

Segundo o especialista, o cálculo renal costuma atingir duas vezes mais homens que mulheres, além de ser uma doença característica de pessoas jovens, principalmente entre os 40 e 50 anos. “Tomar água aumenta o fator protetor na medida que nós temos o aumento do fluxo urinário ao consumirmos mais líquidos. Nesse sentido, vale destacar que normalmente a ingestão de água varia entre 30 e 35 ml por quilo de cada pessoa. Por fim, também é muito importante evitar segurar a urina”, afirma Mannis. O nefrologista também explica que é recomendável ter uma alimentação pobre em sal. Além disso, para as pessoas que são potencialmente formadoras de cálculos, também não é recomendado uma dieta hiperproteica. Outra maneira de prevenção é pesquisar por meio de exame se há alguma alteração para risco de formação de cálcio no sangue para poder agir de forma preventiva.

Tratamento

Em meio a uma crise de cólica renal, a primeira medida é o alívio imediato das dores com o uso de analgésicos administrados por via intravenosa. Isto geralmente acontece em ambiente de um pronto-socorro. Apesar da dor intensa, sabe-se que aproximadamente 75% dos cálculos renais são passíveis de eliminação espontânea na urina se houver um esquema de hiper-hidratação momentânea que force a eliminação. Os 25% restantes, provavelmente vão necessitar de um tratamento urológico com diuréticos para a sua remoção.

Outra opção de tratamento para os cálculos já formados é a litotripsia extracorpórea por ondas de Choque (LEOC), método não invasivo, realizado ambulatorialmente, que dispensa internação hospitalar e anestesia. “De toda forma, é fundamental a sua retirada em no máximo duas semanas para não ocorrer um dano definitivo nos rins, além do maior risco para infecção”, conclui o especialista.

Sobre o HSANP: Hospital referência na Zona Norte da cidade de São Paulo e tem como missão ser assertivo com práticas humanizadas, promovendo a melhor experiência e resultados no cuidar de pessoas.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine

Most Popular

Recent Comments