sexta-feira, agosto 19, 2022
spot_img
InícioArteO legado inspiracional de Gilberto Dimenstein

O legado inspiracional de Gilberto Dimenstein

Plataforma digital, a ser lançada em 29 de maio, reúne e disponibiliza gratuitamente o legado do escritor, jornalista e ativista social nas áreas de comunicação, educação, gentilezas urbanas, economia criativa e defesa de direitos

“A poesia desta cidade não está na paisagem geográfica, mas na paisagem humana. Vivemos aqui o confronto entre o caos urbano e a riqueza humana.” Créditos: Gilberto Dimenstein

O Instituto Gilberto Dimenstein foi criado para jogar luzes sobre as ideias e ações inovadoras do escritor, jornalista e ativista social Gilberto Dimenstein, com o intuito de que continuem revelando, inspirando e potencializando talentos capazes de transformar vidas, comunidades e cidades, por meio da inclusão, equidade e justiça social. Fundado pela esposa do jornalista, Anna Penido, e pelos filhos dele, Gabriel e Marcos Dimenstein, o Instituto GD lança seu primeiro projeto, que tem o propósito de reunir o legado de Gilberto e disponibilizá-lo por meio de uma plataforma digital hospedada do portal Catraca Livre, como forma de inspirar novas gerações de comunicadores, pesquisadores, empreendedores sociais e cidadãos a continuarem promovendo iniciativas para melhorar o seu entorno.

A partir do mesmo olhar encantado pelo mundo cultivado por Dimenstein, uma equipe de jornalistas e pesquisadores realizou estudo em profundidade sobre sua vida e atuação profissional, com o objetivo de registrar a sua trajetória, as pautas, narrativas e iniciativas que criou, difundiu e inspirou, além de evidenciar a necessidade de continuarmos enfrentando os diversos desafios socioambientais que acometem a nossa sociedade. Para tanto, o levantamento também mapeou a influência que Gilberto exerceu sobre políticas públicas e projetos sociais, a fim de que seu legado conscientize, encoraje e empodere as pessoas para a construção de realidades mais democráticas, justas, diversas, inclusivas, gentis e cheias de arte.

Sobre a pesquisa:

A primeira fase da pesquisa compreendeu o mapeamento e curadoria do acervo pessoal de Dimenstein e de materiais produzidos por e sobre ele ou com sua participação, como livros, colunas, reportagens, campanhas, comentários, programas de rádio e TV, publicações sobre projetos sociais, fotos, entre outros. Em um segundo momento, foram realizadas entrevistas com familiares, amigos e companheiros de jornada, pessoas chave que acompanharam a trajetória e o impacto de Gilberto no jornalismo, na opinião pública, na política pública e nas organizações sociais, como o maestro João Carlos Martins, a empresária Luiza Trajano, o jornalista Josias de Souza e o jornalista e ilustrador Alexandre de Maio.

Todas as profissionais que participaram do projeto trabalharam e/ou conviveram com Gilberto e foram profundamente inspiradas por suas ações. Estão entre elas: Clara Rocca, produção executiva; Raíssa Albano, coordenação de pesquisa; Susana Camargo, pesquisa documental; Erika Vieira e Keila Baraçal, pesquisa de mídia; Juliana Linhares e Lana Scott, entrevistas.

Sobre a plataforma:

A plataforma do legado traz 79 artigos escritos por Gilberto, principalmente para a Catraca Livre e para a Folha de S. Paulo, veículo em que trabalhou por 28 anos, além de resumo dos 23 livros que publicou e dos principais projetos sociais em que esteve envolvido, como a Cidade Escola Aprendiz, da qual foi idealizador e fundador, e a Orquestra Sinfônica Heliópolis, para a qual contribuiu como Presidente do Conselho de Desenvolvimento do Instituto Bacarelli. As ideias provocadoras de Dimenstein também se fazem presentes a partir de comentários de rádio e vídeos com depoimentos e palestras do jornalista, bem como de diversas entrevistas em que foi entrevistador, entrevistado ou pauta da conversa. O acesso às informações é facilitado através de um quiz, capaz de identificar o interesse do internauta e direcioná-lo para os diferentes temas por meio dos quais o acervo foi catalogado.

A plataforma será lançada no dia 29 de maio, data do aniversário de falecimento de  Gilberto Dimenstein, e poderá ser acessada no link: institutogd.org.br. Em 11 de junho, o Beco do Batman, local que ajudou a fechar para os carros, se tornando um dos principais pontos turísticos da cidade, recebe a festa de lançamento do portal.

Mais informações sobre Gilberto Dimenstein:

Gilberto nasceu em São Paulo, em 28 de agosto de 1956, de família judaica. Formado em jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, começou sua trajetória na comunicação jogando luz sobre escândalos políticos e casos de corrupção no jornal Folha de São Paulo, por 28 anos – de 1985 a 2013 foi diretor da sucursal em Brasília, correspondente em Nova York, colunista e membro do conselho.

Trabalhou na rádio  CBN, Jornal do Brasil, O Globo, Correio Braziliense, Última Hora, Veja e Revista Visão. Entre seus artigos para a Folha, falou sobre o grande golpe, a lista da fisiologia, prostituição de meninas do Pará – que virou o livro “Meninas da noite: a prostituição de meninas escravas no Brasil”, publicado em 1997. Posteriormente começa a escrever e atuar nas causas dos direitos humanos, principalmente nos direitos de infância e juventude, criando com a jornalista Âmbar de Barros a ANDI – Agência de Notícias dos Direitos da Infância e foi acadêmico visitante do programa de Direitos Humanos da Universidade de Columbia (EUA), entre 1995 e 1998, fez parte de incubadora de projetos de Harvard (EUA), entre 2011 e 2013.

O Catraca Livre, eleito o melhor blog de cidadania em língua portuguesa pela Deutsche Welle em 2012 e apontado pela Universidade de Oxford, BBC e Financial Times como uma das mais importantes inovações digitais de impacto social no mundo em 2013, desde 2008 tornou-se vitrine para soluções na área de mobilidade, lazer, educação, saúde e empreendedorismo. “Queremos ajudar as cidades a serem mais educadas, acolhedoras e criativas”, afirma o portal ao apresentar-se.

Gilberto criou o programa bairro-escola, desenvolvido por meio do Projeto Aprendiz e replicado pelo mundo com ajuda do Unicef e da Unesco, considerado referência mundial e “um exemplo de inovação comunitária” pela Escola de Negócios de Harvard. Foi presidente do conselho da Orquestra Sinfônica de Heliópolis, em São Paulo, e membro do conselho consultivo do Museu do Amanhã, no Rio.

Dimenstein é autor de diversos livros, como A República dos Padrinhos: Chantagem e Corrupção em Brasília (1988); As Armadilhas do Poder – Bastidores da imprensa (1990); A Guerra dos Meninos – Assassinatos de Menores no Brasil (1995); A Democracia em Pedaços (1996); O Aprendiz do Futuro (1997); O Mistério das Bolas de Gude (2006); Fomos Maus Alunos (2009) e Mundo de REP (2002). É também coautor de A Aventura da Reportagem (1990), com Ricardo Kotscho; A História Real – Trama de uma Sucessão (1994), com Josias de Souza; O Brasil na Ponta da Língua (2002), com Pasquale Cipro Neto; Prazer em Conhece” (2008), com Miguel Nicolelis e Drauzio Varella; É Rindo que se Aprende (2011), com Marcelo Tas, entre outros.

Entre seus prêmios, destacam-se dois Prêmios Esso (Categoria Principal, em 1988, e Informação e Política, em 1999), Prêmio Maria Mors Cabot (1991), Prêmio Nacional de Direitos Humanos (1995), o Jabuti, por seu livro Cidadão de Papel (1993), o Grande Prêmio Ayrton Senna de Jornalismo (1999) e recebeu diversos Prêmios Comunique-se, entre outros.

Lançamento da plataforma institutogd.org.br: 29 de maio de 2022,

Evento de Lançamento: 11 de junho, no Beco do Batman, Vila Madalena/SP

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine

Most Popular

Recent Comments