Ao Vivo
Programas
Cobertura
Jornalismo
Programação
Institucional
Comercial
Notícias
Ao Vivo
Programas
Cobertura
Programação
Institucional
Comercial
Notícias
Ao Vivo


REDE BRASIL > Notícias do Cartão de Visita News > Células-tronco ajudam animais a se recuperar de sequelas da cinomose
 
Células-tronco ajudam animais a se recuperar de sequelas da cinomose
Publicado em 25/11/2021
por Cartão de Visita News


Apenas 15% conseguem sobreviver à virose. Crystal, um vira-latinha de 6 meses, foi tratada em Goiânia; terapia celular trouxe de volta movimentos e qualidade de vida

Se seu cãozinho apresentar sintomas, como diarreia, secreção amarelada e densa saindo pelo nariz e olhos, convulsões, desorientação, paralisia ou movimentos involuntários, pode ser cinomose, virose considerada um pesadelo para os tutores de cães. Nesse caso, é melhor correr para o veterinário.

A vira-latinha Crystal, já recuperada da cinomose: células-tronco devolveram os movimentos e a qualidade de vida

Apenas 15% dos animais conseguem sobreviver à doença, mas, se os sintomas forem tratados no início, e o sistema imunológico conseguir combater o vírus, eles podem ter cura espontânea. Entretanto, se a doença acometer o sistema nervoso central, o animal irá apresentar sequelas, como tremores musculares, andar desordenado ou crises convulsivas, por toda sua vida. Nesses casos, a má qualidade de vida pode levar à necessidade de sacrifício do animalzinho.
Para o tratamento da cinomose, como o de outras doenças graves, as células-tronco têm se mostrado cada vez mais eficientes. "Elas atuam estimulando a imunidade e reparando os tecidos destruídos pela doença", explica a doutora Fernanda Landim, médica veterinária, pesquisadora e especialista em biotecnologia de reprodução animal e cultivo de células-tronco da Omics Biotecnologia Animal, de Botucatu.

Segundo ela, 75% dos casos de cinomose tratados com células-tronco pela Omics tiveram melhora do quadro clínico, sendo 47%, logo na primeira aplicação. "Quando a aplicação é realizada ainda no estágio ativo da doença (fase viral ou aguda), a taxa de sucesso pode ser menor, uma vez que, pela progressão natural da doença, o animal muitas vezes não tem tempo de responder à terapia celular. Portanto, indicamos fazer a aplicação sempre na fase crônica ou em pacientes clinicamente estáveis. Quanto antes iniciar o tratamento, mais rápida será a resposta, uma vez que sequelas crônicas podem necessitar múltiplas aplicações", diz.

Crystal, uma vira-latinha bebê diagnosticada com cinomose, foi salva pela terapia celular. A tutora Carla Resende, de Goiânia, percebeu os sintomas logo no início e se apressou para levá-la ao veterinário. "O tratamento foi intenso e sofrido. Levou 15 dias, mas foi bem-sucedido", contou Carla Resende, de Goiânia.
Entretanto, Crystal carregava a sequela da fraqueza motora, que a fazia caminhar com bastante dificuldade. "Uma tristeza de ver", lembrou a tutora.
Com a esperança de devolver à Crystal a qualidade de vida que ela merecia, Carla estava sempre pesquisando alternativas de tratamento, Foi quando conheceu a terapia celular. "Cerca de 20 dias após a primeira aplicação de células-tronco, Crystal já apresentou sinais de recuperação. Ela passou a ser mais ativa, procurava interagir com meus outros cães, voltou a correr, brincando com todos, até que a vimos subir na cama, num salto único. Ela estava recuperando a força das patas traseiras", comemorou.
Crystal já foi submetida à segunda aplicação de células-tronco e vem a cada dia se fortalecendo.

Fique por dentro

O que é?
A cinomose canina é uma doença infecciosa viral, extremamente contagiosa que possui altas taxas de mortalidade. A doença pode acometer animais de qualquer idade, raça e sexo, especialmente animais sem imunidade ou com vacinação incompleta. Entretanto a prevalência é maior em animais jovens, com idade entre 3 e 6 meses.

Sintomas
O vírus se replica nas células sanguíneas e sistema nervoso central do animal, mas, devido a sua atração por diversos tipos de células, leva a uma infecção generalizada. Nos estágios iniciais da doença, um sintoma bastante comum é a diarreia. Em um estágio um pouco mais avançado, o sistema respiratório é acometido, sendo observadas secreções normalmente amareladas e densas saindo pelo nariz e região dos olhos. Na fase mais tardia da doença, acontece o acometimento do sistema nervoso central, que é quando o animal passa a apresentar convulsões, depressão, desorientação, paresia, paralisia, incoordenação, quedas, inclinação da cabeça, tremor dos olhos e movimentos involuntários.

Transmissão
Um cão infectado elimina o vírus pela urina, fezes e secreções (nasal e ocular) até 90 dias após a exposição ao vírus. Portanto, é importante evitar seu contato com outros cachorros durante o período em que está doente. Após o contato com partículas virais, elas entram pela cavidade oronasal. O período de incubação varia de 7 a 28 dias ou mais.
Vale lembrar que o contato não necessariamente precisa ser direto/ próximo. A infecção pode acontecer quando passeamos com nosso pet em locais públicos por onde passaram animais doentes que eliminaram o vírus na rua. Por isso, se seu pet não possui o quadro de vacinas completo, não permita que ele tenha contato com outros cães.

Só cachorros contraem a doença?
A cinomose pode ocorrer também em animais silvestres como furões, doninhas, guaxinins e gambás.

Tratamento
Não há medicamentos eficazes para combater a doença. Por isso, o tratamento consiste em tratar os sintomas.
Antibiótico, anti-pirético e antieméticos para as infecções no sistema digestório e respiratório.
Soro (fluidoterapia), para corrigir a desidratação causada pela diarreia.
Anticonvulsivante para as crises convulsivas devido ao acometimento do sistema nervoso.
Suplementos nutricionais e terapias alternativas, como a acupuntura, para melhorar a resposta imunológica do animal para combater o vírus.

Cura
Quando os sintomas são tratados no início da doença e o sistema imunológico do animal consegue combater o vírus, o animal pode ter cura espontânea. As células-tronco têm se mostrado cada vez mais eficientes. Elas atuam estimulando a imunidade e reparando os tecidos destruídos pela doença.

Prevenção
Basta realizar a vacinação anual do seu cachorro. A vacina para cinomose está dentro do pacote oferecido pelas vacinas V8 , V10 e V11. No caso de filhotes, devem receber de três a quatro doses da vacina a partir de 45 dias de vida, com intervalo de 21 a 30 dias entre as aplicações. Apenas depois da última dose seu sistema imunológico estará apto a combater o vírus caso haja contato com ele, sendo liberados os passeios na coleira.

 






ENTRETENIMENTO

SHURATO NA REDE BRASIL DE TELEVISÃO
AS AVENTURAS DE ZORRO
PERDIDOS NO ESPAÇO
A FEITICEIRA NA SESSÃO COR DE ROSA
AS PANTERAS NA SESSÃO SÉRIES DE OURO
MASH SÉRIE DE MAIOR AUDIÊNCIA DA TV AMERICANA
MULHER MARAVILHA TODAS AS SEGUNDAS 23HS

FIQUE POR DENTRO

VOCÊ ASSISTE CHAPARRAL AQUI NA RBTV
FINDI QUIZ DE 02 A 05 DE DEZEMBRO
SÁBADO TEM ENCONTRO COM A LUCIMARA PARISI
TODA SEXTA TEM "MORTAL KOMBAT" NA RBTV
JORNAL RB NOTÍCIAS A PARTIR DAS 16H30
TARDE TOP AQUI NA RBTV
EM REVISTA DEBATE SOBRE O ABORTO NO BRASIL



Todo conteúdo criado e reservado pela Rede Brasil®